Consciência do Mundo do Desejo

O ser humano deve se tornar consciente, em tempo real, de seus pensamentos e emoções. Isso é possível por meio da auto-observação

Imaginemos três cenas da vida real. Numa cerimônia religiosa um tenor sacro interpreta magistralmente “Panis Angelicus” para um público que se mostra emocionado. Noutra, um idoso socorre um andrajoso morador de rua, acidentado na via pública, enquanto transeuntes passam ao largo, sem dar a mínima atenção ao fato. Na terceira cena um atleta empenha-se ao máximo, além de seus limites físicos, para vencer uma final olímpica.

São três situações verossímeis, envolvendo sentimentos, emoções, desejos, interesse, indiferença e incentivo para a ação. Tudo isso é possível porque temos um veículo denominado na Filosofia Rosacruz como Corpo de Desejos. Esse veículo das emoções é formado da substância sutil do Mundo do Desejo, um dos sete mundos que compõem a evolução da humanidade, descritos por Max Heindel no Conceito Rosacruz do Cosmos.

Como espíritos em evolução dispomos de uma cadeia de veículos, de densidade e graus vibratórios diferentes. Um deles, o corpo denso, visível para todas as pessoas, é formado de matéria química da Região Química do Mundo Físico, onde predomina a “Lei da Inércia”. Interpenetrando e vitalizando esse veículo, há o Corpo Vital, formado de quatro éteres da Região Etérica. Ele é perceptível somente a uma minoria de seres humanos. Se dispuséssemos apenas desses dois corpos não passaríamos de seres vivos em estado vegetativo, sem qualquer incentivo à ação. Não haveria experiência nem crescimento anímico. Nossa evolução seria uma impossibilidade.

Expressamos desejos, emoções e estímulos para agir graças ao influxo das forças cósmicas atuantes no Mundo do Desejo. A substância desse Mundo, difere da matéria inerte da Região Química do Mundo Físico. Expressa-se através de constante movimento, é fluídica e capaz de assumir variadíssimas formas com uma rapidez incrível para os padrões deste mundo visível que conhecemos. Irradia luzes e cores sempre cambiantes, em tonalidades sem similar à percepção comum dos olhos físicos. Mas, não se trata de matéria física sutilizada, como equivocadamente afirmam alguns autores. É algo bem diferente, de outra natureza.

Max Heindel relata a dificuldade do neófito para encontrar um foco e um ponto de equilíbrio quando “abre seus olhos” no Mundo do Desejo. Isso ocorre porque no início há uma tendência a observar e interpretar os fenômenos ali existentes segundo os condicionamentos e as leis que predominam no Mundo Físico.

Por desconhecer esses ensinamentos as pessoas, de um modo geral, não se dão conta de que a repercussão e consequências de suas ações, pensamentos e sentimentos vão muito além do que seus sentidos físicos percebem. Tudo o que ocorre aqui, reflete-se em todos os reinos da natureza e cria formas no Mundo do Desejo. Essas formas dependem dos sentimentos e pensamentos do ser humano, em relação aos fatos que compõem seu cotidiano. Podem ser formas elevadas ou demoníacas. Seu alcance vai muito além do que ele imagina, refletindo-se em seu destino e evolução espiritual. Essas formas também influenciam a coletividade humana conforme a intensidade das forças de desejo que as constituem.

O ser humano deve se tornar consciente, em tempo real, de seus pensamentos e emoções. Isso é possível por meio da auto-observação. Estar de prontidão e atento consiste em um bom caminho para evitar a criação de formas desarmônicas e destrutivas, que trazem consequências funestas para seu próprio criador.

Que as Rosas Floresçam em vossa Cruz!

Por Gilberto Silos

Posts recentes

Categorias

Arquivos

Design por: Maurilio Souza | Programado por: Loooping

X