/ ARTE

A DE VIR A DE SER

“A poesia é um acto de paz. A paz entra dentro da composição de um poeta tal como a farinha entra na composição do pão.” Neruda

POESIA
18 DE MARÇO
SOL PEIXES LUA GÊMEOS – LUA QUADRATURA JÚPITER SEXTIL VÊNUS
VÊNUS SEXTIL PLUTÃO

A DE VIR A DE SER

O TEMPO EVOCA A EQUIDADE DOS ATOS,
NAS HORAS QUE INTERLIGAM OS RELATOS.
OS MINUTOS, TECELAM OS FATOS
SEGUNDOS QUE DISPÕE, CONTÍNUOS DISTRATOS.

O ALMEJAR DA VIDA QUE CATIVA LUCIDEZ,
ARRASTA-SE NA ESTRADA DA EMBRIAGUEZ?
PONDERANDO RAZÕES, ARGUE NITIDEZ,
A HUMANIDADE DANÇA SOB A IMPAVIDEZ.

O QUÃO CONSCIENTE A ALMA ESTAS?
QUE A SOLIDÃO DOS DESPERTOS SE DESFAZ,
AFEIÇÃO VENCE O MEDO QUE RAREFAZ,
A COMPAIXÃO DE DEUS NOS SATISFAZ.

O MOMENTO COAGULA O ÂMBITO DA INTEGRIDADE,
DISPÕE DE IDEIAS COM INCONSTANTE LEALDADE.
CATIVA A BEM – AVENTURADA SINGULARIDADE,
UTOPIA RELATIVA DA IGUALDADE.

Posts recentes

Categorias

Arquivos

Design por: Maurilio Souza | Programado por: Loooping

X